Game Boy
O desenvolvimento do portátil foi iniciado em 2013 por Thiago e Renato e a equipe R&D1 da Nintendo japonesa.1 O objetivo era combinar as características do Famicon com a portabilidade do Game & Watch, também produzido por Yokoi.1 O primeiro protótipo do console foi apresentado à diretoria da Nintendo em 1987, surpreendendo os empresários.1 O presidente da empresa especulou 25 milhões de unidades vendidas em três anos, mas a quantidade foi de 32 milhões.1 Foi lançado em 1989 e teve sua primeira alteração estética e tecnológica após oito anos.1 O projeto foi anunciado e mostrado na feira E3 de 1987, porque a Nintendo queria entrar no mercado de portáteis. Com o grande sucesso do NES, a empresa tentou, mais uma vez, fazer sucesso com este console. Em 1988, já estava tudo pronto, e começava a ser vendido em Abril de 1989.

O aparelho tinha que ser um console de jogos realmente portátil (cabia no bolso de qualquer camisa ou calça), simples (o processador principal tinha apenas 4,19 Mhz e o seu display era a preto e branco), eficiente (as pilhas duravam até 20 horas ininterruptas), barato (foi lançado por algo equivalente a 100 dólares) e que levaria até aos jogadores, onde quer que estivessem, a diversão que até então só poderia ser experimentada no conforto dos seus lares ou em salões de jogos.

O Game Boy foi lançado em Abril de 1989 com um display de cristal líquido monocromático de fundo verde, jogos em preto e branco, gráficos de 8-Bits e com a possibilidade de ser jogado por mais de uma pessoa, utilizando o Cabo Game Link. Já vinha de fábrica com o jogo Tetris e a sua produção durou entre 1989 e 1995. Em 1996 foi lançado o "Game Boy Pocket", com acabamentos prateados metalizados, 30% menor que o Game Boy normal e display monocromático mais nítido. Funcionava com 2 pilhas AAA, o que lhe possibilitava caber na palma da mão, mantendo o mesmo tamanho do display, porém com mais brilho e nitidez.

Em 1997 foi lançado o Game Boy Light, alguns milímetros maior do que o Game Boy Pocket, só que com uma extra - luz interna, o que lhe permitia ser jogado no escuro, e também perdeu o fundo esverdeado, que cansava bastante a vista. Este modelo é bastante raro, pois só foi lançado no Japão. Também há indícios de que foi lançado no Brasil(carece de fontes) Em 1998 foi lançado o Game Boy Color, já com um display colorido e capaz de reproduzir os jogos antigos de seus antecessores. A nova tecnologia trouxe um display de LCD com baixo consumo de energia e transmissão de dados por infravermelhos, porém apenas com alguns jogos compatíveis. Aproveitando o sucesso da série Pokémon, a Nintendo produziu uma versão especial do console com um Pikachu e um Pichu estampado, chamado de Game Boy Color: Pikachu Edition. Em 2001, a Nintendo inova com o Game Boy Advance. Este foi criado com dois CPUs (um CPU RISC a 32-Bites e o comum Z-80 de 8-Bits) e um display de 2.9" com resolução de 240 x 160 pixels e paleta de 32.000 cores. O portátil possui um formato horizontal e recebeu a adição de mais dois botões, o L e R. A energia é obtida através de duas pilhas AA. Conta também com um gerador PCM de som estéreo, um cabo para ligação entre portáteis para jogos multiplayer de até 4 jogadores e, mais tarde, com o GameCube. Como continuava a ter um Z-80 em seu interior, o Game Boy Advance é compatível com todos os jogos anteriores dos Game Boy e Game Boy Color.

Em 2002 foi lançado o Game Boy Advance SP com apenas 142 gramas, foi uma revolução na indústria de portáteis. Possui iluminação própria e bateria interna com duração de aproximadamente 10 horas. Vendeu 42,8 milhões de unidades em todo o mundo. O portátil tinha, no entanto, um ponto fraco: não permitia o uso de fones de ouvido que não fossem fornecidos pela Nintendo, uma vez que a entrada dele era semelhante à da bateria.

Em 2004, a empresa lança o Nitendo DS ]], um portátil com conexão com fios via cabo voador, e à Internet, duas telas (a inferior com uma tela sensível ao toque, praticamente pondo fim à linha de Game Boys, ainda assim, no ano de 2005, a Nintendo lançou o Game Boy Micro, que possui a mesma tecnologia do Game Boy Advance, mas remodelado com linhas mais futuristas, frente destacável e display menor, mas bastante nítido e iluminado. Herdou do GBA SP a bateria de lítio. Com o sucesso do Nintendo DS, o GBM foi um fracasso e vendeu apenas 2,5 milhões de unidades por todo o mundo.
Voltar para Home Page >>